Homenageamos hoje: Geraldo Del Rey

Geraldo Del Rey fez curso de arte dramática na universidade, em Salvador. Enquanto estava estudando, o diretor Anselmo Duarteo convidou para o papel de “Bonitão”, em O pagador de promessas (1962), um dos mais importantes filmes brasileiros de todos os tempos. Ele era conhecido como o “Alain Delon brasileiro”, devido a sua semelhança com o ator francês.

Além de O pagador de promessas, Del Rey foi protagonista em dois filmes clássicos brasileiros: A grande feira, de 1961, dirigido por Roberto Pires, e Deus e o diabo na terra do sol, de 1964, dirigido por Glauber Rocha.

Na metade dos anos 1960, Geraldo Del Rey trabalhou na televisão, em diversas novelas da TV Tupi e Excelsior. No início dos anos 1970, em virtude do seu engajamento político, foi mandado embora da Rede Globo e sua carreira entrou em declínio. Precisando de trabalho, aceitou papéis secundários, como na novela jovem Braço de Ferro, na TV Bandeirantes em 1983. Nos anos 1990, voltou à Rede Globo, onde, ironicamente, atuou na minissérie Anos Rebeldes, cujo pano de fundo era a ditadura militar instalada no Brasil nos anos 1960 e 70.

Em 1963, casou-se com a jornalista e apresentadora gaúcha Tânia Carvalho, com quem teve um filho, Fabiano Carvalho Del Rey em 1967. Divorciaram-se em 1970 e Tânia voltou para Porto Alegre, onde tornou-se uma das mais importantes personalidades televisivas do Rio Grande do Sul.

Geraldo Del Rey morreu em 25 de abril de 1993, em decorrência de um câncer de pulmão.

Sobre o autor

Robson